O Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) determinou que o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) revise a aposentadoria de um agricultor de Santa Catarina (SC) considerando no cálculo seis anos em que ele trabalhou com a família. O trabalhador ajuizou ação na Justiça após ter o pedido de revisão negado pelo Instituto. O julgamento da 6ª turma ocorreu no dia 22 de fevereiro.

A sentença de primeiro grau julgou improcedente o pedido por entender que faltavam provas para comprovar o tempo em que exerceu as atividades rurais com a família.

O autor recorreu ao tribunal apresentando provas testemunhais e documentais, inclusive um pronunciamento judicial reconhecendo a atividade rural do período. Duas testemunhas que conviveram com ele desde a infância confirmaram a veracidade dos documentos do agricultor.

O relator do caso, desembargador federal João Batista Pinto Silveira, reformou a sentença de primeiro grau. “Não se exige, prova documental plena da atividade rural de forma a inviabilizar a pretensão, mas apenas início de prova material (como notas fiscais, prova de titularidade de imóvel rural, certidões, etc.) que, juntamente com a prova oral, possibilite um juízo de valor seguro acerca dos fatos que se pretende comprovar” afirmou o desembargador.


Por: Sabatti Advogados

Publicado em: 3 de novembro de 2020

Compartilhar:

voltar

Notícias Recomendadas:

18/01/2022

Por: Livio Sabatti

Bombeiro civil de entidade educacional consegue adicional de periculosidade


04/01/22 – A Sétima Turma do Tribunal Superior do Trabalho deferiu a [...]

17/01/2022

Por: Livio Sabatti

Bancário despedido quando estava incapacitado por stress após assaltos deve ser reintegrado e indenizado


Um bancário que foi despedido sem justa causa no momento em que se [...]

21/12/2021

Por: Livio Sabatti

Tribunal mantém pagamento de pensão a menor que perdeu o pai em acidente rodoviário


Nesta terça-feira (14), a juíza federal convocada Maria Isabel Pezzi Klein, [...]